quinta-feira, abril 23

HÁ QUALQUER COISA NELA...

...que me faz querer deixar tudo só para estar com ela. Que me faz pensar em dar uma daquelas desculpas esfarrapadas ao patrão e ir para casa para logo de seguida mandar-lhe uma mensagem a dizer: "deram-me a tarde de hoje. podemos aproveitar a tua folga e dar-mos um passeio?". 
Porque há qualquer coisa nela que me faz querer mentir. Só por ela. Para estar com ela.
Há qualquer coisa nela que me faz ter medo. Medo que ela se aproxime de outra pessoa. Que não possa mais vê-la, ouvir o seu riso de criança ao telemóvel ás tantas da noite. Medo que outro sinta o mesmo que eu. 
Porque há qualquer coisa nela que deixa os homens intimidados e fascinados. 
Não é a mais bonita de todas. A mais jeitosa. É simples, recatada, bonita no seu jeito tímido de ser. Mas há qualquer coisa nela que me faz querer continuar. O seu jeito talvez, a sua forma de lidar com a vida, com as pessoas. 
Há qualquer coisa nela que não me deixa olhar para mais nenhuma. 
Vá-se lá saber o quê. Eu cá acho que não me importarei de passar o resto da vida a tentar descobrir...




quarta-feira, abril 22

GORDAS E MAGRAS.(inspirado em Margarida Rebelo Pinto)

Li o texto. Tarde mas li. Arrisco mesmo dizer que concordo com certos aspectos sobre as tão famosas gordas. Faltou mesmo dizer que todas as gordas têm por perto amigas bonitas. Porque afinal de contas as bonitas andam sempre com uma gorda atrás apenas para elas próprias conseguirem ter toda a atenção. Se sais com a gorda, quando chegares á festinha, é como se estivesses sozinha. Os homens são todos teus. Porquê arriscar levar outra amiga qualquer?
Sim fui cruel mas é a realidade. Eu própria tive a minha amiga gorda. No início do secundário e no fim. Aquela pessoa que, para compensar o seu péssimo físico, era melhor aluna que eu, melhor artista que eu, mais bonita que eu, mais engraçada que eu, mais responsável que eu. Só não era mais jeitosa que eu. Mas até melhor bailarina era. O que não entrava na cabeça de ninguém. Como uma gorda podia ser tão graciosa? E há uns tempos descobriu-se que eram as melhores na cama. Acho que todas as magras sentiram que perderam todo um campeonato que durou gerações. Ou não. Porque continuam magras. Com namorados mais ou menos bonitos. Que nunca tentariam comprovar essa teoria porque acham as gordas feias. Pois aqui vai, depois do choque inicial, a verdade sobre o que eu acho delas:
não são feias. Não são nojentas.
As mulheres mais bonitas e inteligentes têm todas tendência a serem ligeiramente mais gordas. Preocupam-se com o que vestem. Ás vezes com o que comem porque acham que a força de vontade de ser magra pode superar a genética. São engraçadas por natureza, têm homens bonitos como amigos e não porque eles têm pena delas mas porque as consideram mesmo as melhores amigas. Porque as gordinhas, talvez por serem mesmo gordinhas, esforçam-se mais por serem a mulher quase perfeita, a amiga quase perfeita e mais tarde a namorada ideal. Porque compensam interiormente o que a maioria das magras deveriam ter. E por norma os seus namoros são sempre muito mais sérios que os de uma magra. 
Aliás, a amiga gordinha que vos falei começou a namorar primeiro que eu. Com um tipo que eu nunca imaginaria. Bonito para caraças. Agora está casada. Com outro mas casada. E é gorda. E agora a Margarida dizia algo do tipo:
- Vá-se lá saber. 
As gordas toda a sua vida foram usadas, gozadas e desrespeitadas e não de forma sexual. E por muito que ache que a Margarida foi cruel, tenho de dizer que foi verdadeira no que disse. E serei verdadeira ao dizer que uma mulher magra que tema uma gorda, com toda a certeza sabe a razão porque a gorda poderá ganhar. E é com certeza uma mulher sem auto-confiança. Ou não é mulher. 
Porque a maioria das gordas que conheço são tudo o que um homem deseja numa mulher. Apenas com um pequeno pormenor: têm um corpo bem mais largo para guardar todas as suas qualidades. 



( Peço desde já desculpa se ofendi alguém com certas e determinadas partes do texto mas tinha de ser) MARGARIDA ADMIRO-TE IMENSO PELO QUE DIZES MAS FALTARAM-TE ESTAS OBSERVAÇÕES. 



Este texto não foi escrito pela Miss B mas sim pela Su Gomes. The real one. 

quinta-feira, abril 16

CADA VEZ QUE ALGUÉM SE APAIXONA

Cada vez que alguém se apaixona, uma parte de si começa a morrer. Porque cada vez que alguém se apaixona, surge tudo o que pensamos muitas vezes não ter. Insegurança, medo, aquele típico sentimento de posse escondido. Sem falar no facto de, quando alguém se apaixona, se aperceber da quantidade de rivais. Dizem que quando alguém se apaixona fica cego. Mas quando isso acontece, normalmente vemos todas as coisas más que surgem desse sentimento. E a pior de todas e a que dói mais é quando nos apercebemos que só nós sentimos o mesmo. Porque normalmente, só quando alguém se apaixona é que se apercebe disso...da rejeição. 
Notamos que a outra pessoa afinal não parece dar-nos muita atenção. Notamos que por muito que mostremos a pessoa nem se apercebe. Notamos que ficamos ciumentos. Inseguros porque todas as outras pessoas que se aproximam da pessoa amada parecem tão melhores que nós. Vemos tudo com exagero.
Cada vez que alguém se apaixona parece que é quando mais dores de cabeça surgem. Porque o amor é muito bonito. Mas exige muito de nós. E se não formos fortes o suficiente para lidar com o que vem desse sentimento, então não merecemos sequer poder dizer que nos apaixonamos...e que merecemos ser correspondidos...

segunda-feira, março 2

PRECONCEITO/HOMOFOBIA (para gays, lésbicas, bis...ou para os que ainda estão na dúvida)

É uma situação que continua a ser difícil de lidar. Há dias ouvi uma conversa absurda.
- A mãe daquela miúda morreu.
- Que miúda?
- Aquela que é lésbica.
- É lésbica? Mas é tão EDUCADA  e INTELIGENTE!

Esta última parte deu-me uma imensa vontade de rir. Rir no sentido de achar piada ao facto de as pessoas falarem do lesbianismo e semelhantes como se fosse uma doença. As lésbicas não podem ser educadas e muito menos inteligentes. Os gays não se podem vestir bem porque o normal na natureza humana é só os hetero se vestirem bem. Isso sim já parece normal. 
Ouvem-se muito frases do tipo:
- Um é gay o outro é normal.
Normal. Como se a frase soasse mais tipo:
- Um não tem um braço e o outro é normal.
Normal. Como se os desvios sexuais fossem um defeito físico. Nem defeito são sequer.E dou comigo a ouvir frases do género. Que pena é ser lésbica porque até é educada. Que pena é ser gay porque até é bonito.As lésbicas não podem ser educadas? Tem de fazer parte da personalidade delas?Os gays não podem ser bonitos? Têm de ser feios para só assim se justificar os seus gostos?

E quando ouço isto apetece-me chegar perto dessas pessoas e dizer:
- Vocês parecem tão mais interessantes quando não abrem a boca.

Quando ouço isto penso logo:
- Não sei como alguém consegue ter orgulho em ser assim...

Preconceito. Ou ignorância. Falta saber. 

quinta-feira, fevereiro 26

A PROPÓSITO DO FILME MAIS VISTO DO ANO

Ainda não tinha dado a minha opinião. Ainda não tinha escrito sobre nada aliás. Ando ausente. 
A verdade é que não tenho nenhum grande discurso sobre o filme. Sei perfeitamente que muito dificilmente um filme consegue ser tão bom como o livro de onde saiu. Mas também sei que bons produtores conseguiram transformar a história de um livro num filme quase á altura do mesmo. 
Mas este não foi o caso. 
Na minha página pessoal do Facebook avaliei em apenas "Bom". Nada mais. Christian Grey pouco convincente a não ser pela bela figura. Anastasia Steele pouco personificada. No fundo não foi captada nenhuma história em particular. 
Era suposto ser um filme erótico a focar uma história de amor entre um sádico maníaco do sexo e uma virgem curiosa. Foi focado o amor de uma jovem. A obsessão de um sádico. E uma pitada de bdsm. E ficamos a conhecer alguns brinquedos que poderemos usar da próxima vez que nos enrolarmos sexualmente com alguém. 
Muitos pensam o mesmo que eu. 
Mas muitos mais pensam o contrário. 
Gostos não se discutem é certo. E também é certo que eu, tal como o famoso Christian Grey, tenho gostos muito peculiares. E visão crítica. 
Esta é a minha. Se um dia me deixarem realizar filme parecido (porque raio me haveriam de deixar fazer isso não sei mas é uma ideia, ou uma dica), aí sim irão ver o que é um filme top ten...

Até á próxima...





Miss B


domingo, janeiro 25

LIBERTINA ou vida de uma rapariga solteira - PARTE 1

Libertina pode não ser o título mais adequado. Não adequado ao que faço mas adequado aos que as pessoas acham que faço. Porque o ser humano sempre teve tendência para exagerar nas coisas. Para inventar uma história quando não sabem a verdade. Porque a mentira sempre foi muito mais emocionante que a verdade.

É certo que sempre tive uma certa fama. Na verdade muitas vezes fiz por isso, mesmo que inconscientemente. E por muito que tente comportar-me ou tentar fazer bem as coisas, acabo sempre por, irremediavelmente, deixar-me levar pela minha vontade. E isto tudo porquê? PORQUE SOU SOLTEIRA. Porque não amando ninguém nem tendo ninguém a quem me dedicar, acredito que posso e devo aproveitar certas oportunidades. 
É certo que uma vez ou outra cometo o erro de não ser discreta. E uma vez ou outra sou tão discreta que chego a convencer, por momentos, que sou uma solitária. Sem sexo. 

Não é muito bom conhecer as pessoas que conheço por lhes ter tocado. Nem é bom acharem que sei tanto. Mas é bom poder dizer muitas vezes que fiz. Que conheci. Que vivi. Que aprendi. E é bom pensar que se agora não sou de confiança para uns, já fui a deusa de outros. Libertina acaba por ser um nome adequado, no sentido de ser livre, aproveitadora e sem desperdiçar o que quero. 
Mas só tenho o que eu quero. Se isso faz de mim uma pessoa má, que seja. Se isso faz de mim uma fácil porque, por coincidência, aquilo que que quero parece virado para mim, que assim seja. 
Sou libertina sim.
Sou fácil sim.
Mas sou solteira sim. 


sexta-feira, janeiro 23

TESE DO POLIAMOR ou teorias de quem ama demais - PARTE 1

Na verdade podia dizer muita coisa sobre este tema. Eu própria consigo gostar de mais de uma pessoa e não tenho nada contra quem anda com mais do que um. A minha confusão está na forma de amar. E no facto de, apesar de muitas vezes achar que amo duas pessoas ao mesmo tempo, ter metido na minha cabeça que ninguém ama duas pessoas de forma igual. E que os "sintomas" para mim podem ser definidos como muito carinho e amor.  Porque toda a gente ama. E não falo do amor dos apaixonados. Falo daquele amor de amigos. Aquele amor incondicional. Tenho disso. E com fartura. Amo a minha melhor amiga e faria o que quer que fosse por ela. Amo o meu melhor amigo. Não há nada que lhe negue. 
A questão aqui é que está provado e mais que provado que ninguém ama duas pessoas da mesma maneira. Ama-se muito uma. Ama-se incondicionalmente outra. Não há dúvidas nisto. E ninguém me tira da cabeça que devemos ficar sempre com quem amamos mais. Por muito que acabemos por sentir falta da outra, porque até isso tem explicação. 
É normal que, quando me dizem que amam, são poliamorosas e depois me dizem que:

  1. Não sentem aquele amor com paixão;
  2. Que se sentem mais á vontade com um/a do que com outro/a;
  3. Que com o passar dos anos de namoro não há paixão mas amor, carinho, amizade, enquanto vão conhecendo outras pessoas...
Está certo, há casais assim com isso tudo mas continuo na minha. Nada contra. Eu própria já me testei e acabei por perceber que não sofro disso. Não teria muita lógica...
E há a questão das pessoas envolvidas com essas assim. As que não sofrem de poliamor mas amam tanto que decidem aderir a isso naquela esperança ingénua de que o/a poliamoroso/a se dê conta que prefere um/a a outro/a. E vão aguentando. E vocês dizem:
- Ah e tal até lidam bem
Pois lidam, mas não significa que não desejassem a pessoa só para elas.
Para mim poliamor é a solução perfeita para uma pessoa ter o ideal. Quem a complete. O que falta numa, a outra tem...ninguém agrada a 100% por isso...porque não arranjar duas ou três com características diferentes? 
E daqui a um bilião de anos pegamos nelas e metemos numa misturadora. E sairá a pessoa perfeita em tudo...


(sem ofensa a ninguém, nada contra. amem muito. o que interessa é a felicidade de cada um)
(ainda investigarei isto em pessoa)

Quem não me perde de vista

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Política de Privacidade

Conteúdo administrado e recebido por Miss B e Sexo e Cenas. 1. Nenhuma informação pessoal dos meus visitantes é comercializada e/ou trocada com terceiros. Os dados fornecidos por eles em qualquer forma de contado, não são repassadas para nenhum outro. 2. Também não são utilizados os dados, como e-mail, para distribuir mensagens não solicitadas e/ou em massa. Os e-mails dos usuários não são armazenados em listas e só entro em contato para responder dúvidas e/ou agradecer visita/contato/solicitação/ajuda/informação e apenas uma única vez. Parte de um e-mail de contato pode ser usado como referência para compor artigos e tutorias e cito a pessoa que enviou. Mas antes entro em contato avisando da possibilidade daquele e-mail ser usado como fonte e solicito previamente autorização para usar o nome e link de quem escreveu. 3. Apenas os comentários nos artigos ficam visíveis para todos os demais visitantes do blog Sexo e Cenas. Os comentários são previamente moderados por mim como administradora do blog Existe uma Política para Comentários e recomendo que leiam: Os comentários são Moderados. Todos os comentários recebidos são previamente lidos. Só são publicados os comentários que eu, administradora, considerar adequados para o artigo em questão. Apesar das regras descritas acima, nada garante que o comentário seja publicado, pois reserva-se o direito de não aplicar as regras aqui contidas sem aviso prévio e estas são apenas uma baliza de orientação para quem desejar expor sua opinião. Tenho em vista, claro, os comentários que podem ser relevantes e que valorizam o meu trabalho. Não tendo interesse em publicar nada que ofenda o blog, nem que seja uma crítica impertinente ou desnecessária. Nos comentários só são aprovados textos que valorizam o que faço e que podem ajudar outras pessoas. 4. Os links e banners de parceiros são selecionados segundo a Política de Conteúdo do Blogger. Disponho os elementos dos meus parceiros por solicitação deles e, daqueles que não solicitaram, envio pedido prévio com aviso indicando que serão linkados neste blog. Ao receber a aprovação destes coloco a informação num local visível do blog. Aos que não solicitaram parceria, mas têm seus links/banners publicados aqui, faço-o como forma de indicação do serviço prestado por eles e por assim permitirem ou indicarem essa possibilidade em seus sites/blogs. Obs.: Não me responsabilizo pelo conteúdo dos meus parceiros e espero que estes estejam em total acordo com as regras de utilização do Blogger e dos seus outros parceiros. Conteúdo de terceiros. Tenho parceria com empresas de publicidade virtual – como o Google AdSense – que se utilizam do sistema de publicidade contextual, mas podem usar de outros recursos para determinar que tipo de publicidade veicular neste blog. Não controlo aquilo que eles disponibilizam. Este blog, pode ou contém imagens, vídeos ou outros, com conteúdos de nudez parcial ou total, não aconselhavél a menores de 18 anos. O acesso ao blog, por parte de menores é estritamente proibido, o seu acesso é da responsabilidade dos intervenientes ou seus encarregados de educação. Parte do conteúdo é retirado da internet e outro recebido por mail sendo esta última via difícil de controlar de onde vem o conteúdo, Autor, Site, Blogue, ou outras fontes. Sou contra a pratica do plágio, se detectar algum conteúdo da sua autoria em parte ou na totalidade postado neste blogue e que comprove que é seu legitimamente o mesmo será removido na hora. Para isso basta contactar-me. Mais, todo o conteúdo deste blogue é meramente ilustrativo, sem qualquer carácter comercial. Sexo e Cenas, ainda condena todo o tipo de conteúdo sexual, onde sejam utilizados menores de 18 anos, bem como ao incitamento de terceiros para tais práticas. Mais, Sexo e Cenas exclui-se de qualquer responsabilidade de qualquer link que directa ou indirectamente, redirecione para páginas de pedofilia ou outras em que se promova ou se visualize o abuso sexual de menores. Qualquer semelhança aqui reproduzida em forma de textos ou outras com a realidade, são pura coincidência.