segunda-feira, maio 16

DIÁRIO DE UMA BISSEXUAL - O INÍCIO III

O destino estava a oferecer-me sinais? O número na minha mão como se na mente dela tivesse surgido uma espécie de visão do futuro. Uma necessidade de eu lhe ligar.
Admito que foi mesmo sorte mas sou obrigada a confessar que não soube o que fazer com isso. Ligar a dizer o quê? Um simples obrigado seria muito mau, muito pouco na verdade. Ninguém telefona a outra pessoa só com o intuito de dizer um obrigado por qualquer razão que seja. Ou estarei errada? Acabei por arriscar. Se não se arrisca em nada, vive-se sempre na duvido do “Como seria se…?”.
Marquei o número e do outro lado ouvi uma música qualquer sobre acreditar no amanhã. Sonoridade fantástica mas desnecessária.
- Sim? – Ouvi uma voz feminina do outro lado atender.
- Marta? – Perguntei eu numa espécie de receio de me ter enganado. Nunca se sabe…
- Sim, é a própria. Quem fala?
A princípio pensei desligar. Falta de educação. Sou uma tarada admito mas nunca uma mal-educada. Segui em frente.
- Olá. É a aniversariante. – Achei que seria interessante não me identificar pelo nome mas sim por um adjectivo. E fiquei deveras contente quando ela pareceu lembrar-se de mim.
- Bom dia Miss! Não pensei que ligasses mesmo! – Notei a incredulidade do outro lado.
Eu adoro estas pessoas. Pessoas que basicamente te apresentam o que fazer de seguida á tua vida e que depois parecem incrédulas quando as fazes mesmo. E por segundo fiquei a pensar no que ela estaria então a pensar quando deixou lá ficar o seu contacto.
- Mas liguei. – Foi a minha resposta seca e rápida.
- Fico contente.
- Na verdade só liguei para agradecer a companhia até casa. Não era necessário.
Ouvi um riso do outro lado. E continuei:
- Se não tivesses deixado o número acho que ia acabar por perguntar por ti a alguém.
- E eu sinto-me lisonjeada em saber isso. – Disse ela. – Na verdade querida, estou um pouco ocupada de momento mas quero ouvir os teus agradecimentos em pessoa. Porque não nos encontramos para um café? Assim também nos conhecemos melhor, afinal parece que fui á tua festa de anos.
- Parece que sim. – Ri-me – O café parece-me bem. Pode ser amanhã? Só regresso ao trabalho daqui a três dias.
- Parece-me óptimo, minha querida. Até amanhã.
Agora falando a sério: acreditem que foi o maldito telefonema que desenvolveu tudo o resto.
Vista bem de perto e ligeiramente mais sóbria, Marta era um encanto. Uma bela morena de um metro e sessenta e cinco de altura. Eu tenho um e sessenta…estava mais ou menos á altura. Durante o dia tinhamos trocado umas mensagens a confirmar o café e a tratar de escolher um sítio bem agradável.
Eu cheguei primeiro. O costume. Quando fico nervosa adianto-me sempre. E agora vocês perguntam-se porque estava eu nervosa. E não vou saber responder mas confesso que é sempre assim. Fico ansiosa e nervosa quando se trata de conhecer uma pessoa nova.
E ela chegou depois vestida de negro. Uns jeans tão apertados que pareciam uma espécie de segunda pele. O que trazia por baixo do seu casaco de cabedal só soube depois, mais para a frente. Aparte a sua indumentária, ela era realmente bonita. De certeza que naquela noite ela abusara da maquilhagem porque só lhe vira brilho mas, naquele momento, o seu rosto era muito mais delicado e bonito. E era simpática e interessada. Durante o café dei comigo a falar imenso sobre mim sob o seu olhar fascinado. O que me incomoda nas pessoas são esse tipo de olhares. Arrepiam-me e deixam-me sem nexo. Claro que ela não estava fascinada com a história da minha vida! E tive a certeza disso quando me fez o convite para irmos até casa dela.
- Já falaste de ti, acho que agora posso mostrar-te o meu mundo. – Sugeriu.
Sorri. Os seus olhares, os seus gestos quando ela olhava para mim…eu não podia fingir sempre que era completamente ingénua. Só os relatos até aqui já mostraram algo que eu raramente sou, calma. Vamos então às verdadeiras aventuras. Porque quando eu sorri já sabia que iria aceitar o convite.
Entramos para o seu carro. Um Leon negro. Estava mais que provado que, tal como eu, adorava tudo em cores bem mortas.
O seu apartamento não era muito longe dali. Vivia sozinha claro, só assim se explicava um convite para o “seu” mundo. A viagem foi curta. Deu para ela falar um pouco de si.
- Há algo que gostava que soubesses sobre mim. – Confessou. – E espero que não te queiras ir embora depois do que te vou dizer.
Olhei para ela com um sorriso no canto dos lábios. É claro que não me iria surpreender.
- Diz lá.
Acredito que o meu á-vontade lhe deu mais coragem para confessar o crime, salvo seja.
- Eu sou bissexual…- E fez-se silêncio. Não disse absolutamente mais nada. Nem eu disse, mas mantinha o meu sorriso. Isso até chegarmos ao nosso destino.
E como para mim não existe nada mais constrangedor do que um silêncio de morte depois de uma frase daquelas, decidi quebrá-lo no elevador.
- Isso não me diz nada a sabes? É-me igual.
Ela olhou-me, completamente embasbacada e sorriu. Um sorriso orgulhoso sabem? Aqueles que surgem quando pensamos que algo vai correr mal que acaba por correr demasiadamente bem.
- Estás a falar a sério? – Perguntou-me, ainda surpresa.
- Não sei porquê tanta admiração! Para mim essas coisas não mudam nada.
- E eu a pensar que te iria surpreender! – Admirou-se ela. Claro que ela não me conhecia e muito menos perguntou algo sobre mim a respeito do assunto ou alguém lhe teria dito que não me choco com nada e levo tudo numa boa. A partir desse momento ficou a saber.

O espaço interior era acolhedor. Mas claro que não descrever aqui o espaço ou mesmo as cores vivas que gritavam ali. Aqui interessam os actos em si. Ela mostrou-me a casa e pouco depois fomos sentar-nos num pequeno sofá instalado a um canto do quarto.
- Tens uma casa agradável. – Elogiei.
- Com muitas histórias para contar. – Completou ela.
Soltei uma pequena risada.
- Imagino…
Ela aproximou-se mais de mim.
- Imaginas mesmo?
E á medida que se aproximava eu ia sentindo cada vez mais o seu perfume. Amêndoa? Aquilo era mesmo amêndoa? Os seus lábios iam-se aproximando dos meus e foi quando senti as suas mãos a tocarem-me numa perna.
Mil e uma coisas me vieram á cabeça naquele momento mas só dei atenção a uma. E então voltei a fechar os olhos e a saborear os beijos quentes que trocamos.
E de tão quente que era acabamos por nos deixar levar ainda mais. Não a afastei quando ela me mordeu o pescoço e muito menos quando a senti a acariciar-me os seios já erectos sob a camisola. Aquilo estava mesmo a excitar-me! E eu no fundo ainda estava confusa com tudo aquilo. Era bom demais mas não deveria acontecer. Porque raio é o fruto proibido o mais apetecido? E porque raio estou eu a compará-la a um fruto proibido? Não estava propriamente a beijar um homem casado.
Neste momento admito que falo no assunto sem preocupações mas naquele tempo acredito que preferia mil e uma vezes andar envolvida com um homem casado ou algo mais condenável pela sociedade. Não é fácil. É verdade que a bissexualidade e o lesbianismo vivem em casas diferentes mas não deixa de ser mais difícil lidar com isso. As parecenças estão lá e as críticas também, principalmente as que misturam tudo. Ao fim e ao cabo envolver-se com alguém do mesmo sexo é envolver-se com alguém do mesmo sexo. Bissexualidade ou Lesbianismo…ninguém se dá ao trabalho de perceber as coisas.
Não me arrependo de nada. Ultrapassei as barreiras que a minha própria cabeça me impunha e fi-lo sozinha. Não me arrependi de a deixar despir-me lentamente e empurrar-me até á casa de banho. Ou de deixar que ela me lambesse os mamilos com sofreguidão e desejo. E adorei agarrar-lhe naquele traseiro enorme e aperta-lo para mim enquanto a beijava. Não iria permitir que ela fosse a experiente. Era a minha primeira vez com um a mulher mas não seria muito diferente certamente do que com um homem.
Sou da opinião que nestes momentos podemos perfeitamente não pensar em penetração se os preliminares nos podem levar á lua. Nós mulheres temos o vício de pensar em enfiar tudo em nós acreditando que só assim ficaremos saciadas. Não é bem verdade. Não totalmente. Depende muito de quem está connosco. Admito que eu própria consigo excitar-me sem enfiar algo ou algo de alguém dentro de mim. É uma questão de técnica. Certo? Mas isso eu não vou explicar agora.
Lembro-me de ter pensado que a língua dela era a coisa mais fantástica que eu já sentira. Mas a minha também era e ela tinha de saber. Então, já despidas debaixo do chuveiro, desci a minha língua pelo seu pescoço. Ela agarrou-se á torneira e ligou o chuveiro, deixando-me arrepiada com as primeiras gotas. Uma coisa passageira porque estava demasiado concentrada a chupar-lhe o lóbulo da orelha até a sentir arrepiar-se. Acabei por não resistir a acariciar-lhe um seio. Ela gemeu….maldita a hora! Não suporto um gemido! Fiquei maluca. Já devem ter adivinhado que por aquela altura já nem me importava se quem eu tinha era homem ou mulher, contando que me satisfizesse.
Descontrolei-me e apertei-lhe o traseiro bem firme, obrigando-a a aproximar-se ainda mais do meu corpo. Colocou-se de costas para mim, os seus seios a roçarem os azulejos gelados e escorregadios, a água morna a deslizar pelo corpo. Algo a que já nenhuma de nós ligava. Eu sabia que os seus olhos rejubilavam de desejo e voltei a apertar-lhe o seio, desta vez com ousadia, só para a ouvir gemer mais uma vez e com mais intensidade. Ficou completamente desnorteada e, agarrando na minha mão, com uma brusquidão que ainda não lhe conhecia, fê-la descer até ao seu sexo. Assim…sem mais nem menos. Doida…
Tomei a liberdade de roçar a minha mão nessa zona e ouvir a sua reacção. Mais uns quantos gemidos que já me estavam a descontrolar por completo. E de tão descontrolada que estava (e ansiosa por lhe mostrar que também sabia uns truques), acabei por meter dois dedos dentro dela. Ela não esperava aquele movimento e então gritou de prazer. E eu ia roçando o meu corpo nela e tornando os meus movimentos cada vez mais bruscos. O prazer dos outros é o meu prazer. Acreditem que sim. Não descansei enquanto não a ouvi implorar por um orgasmo.
E o que se seguiu foi isso mesmo. O orgasmo mais sincero e intenso que eu já sentira indirectamente. Os movimentos ritmados. Controlados e sensuais. Os gemidos… As nossas línguas nos corpos….sempre que me lembro disso fico arrepiada. A minha pele transpira. Os meus olhos resplendecem. E muitas vezes ainda sonho com esse momento. O duche sensual. A boca dela a sorver-me o pescoço enquanto as mãos me exploravam bem lá no meio. A água a escorrer nos corpos. Eu a bebê-la sensualmente. A sugá-la. Os nossos mamilos cada vez mais rijos, a pedirem mais e mais…As minhas mãos a invadirem-na. A violarem-na por completo. As minhas costas a roçarem nos azulejos frios, mas não demasiado para acabarem com a excitação. E a água continuava a escorrer pelos nossos corpos… Não será novidade se vos disser que uma mulher molhada é verdadeiramente sensual.
Os gritos dela. A mexerem comigo
As dentadas. Que eu senti na pele quando chegou a minha vez de ter prazer a sério
Os beijos molhados. E um novo orgasmo…desta vez especial. Porquê? Bem, talvez porque era a minha primeira vez com uma mulher e não a dela. Tudo se torna diferente. Tudo é visto e sentido a dobrar como se o nosso corpo fosse puro novamente. O mesmo nervosismo, o tremor e paixão. O orgasmo sincero…menos a dor.

E era óbvio que uma mulher daquelas não podia ser afastada da minha vida. Iniciou-me em algo que nunca imaginei. Uma vida que escolhi de bom grado. Com ela começo u, talvez pudesse continuar. Nunca a poderia afastar. E não afastei. Como poderia deixar de falar, deixar de ver a pessoa que me dera a conhecer outro mundo e me levara ao verdadeiro arrebatamento?! A uma verdadeira experiência erótica!?
Marta é aquele tipo de mulher que nos pode ensinar tudo, basta pedir. Vive no seu mundo duplo e rodeada de luxúria. Marta é uma espécie de sósia minha, que vive tudo ao máximo e controla tudo ao seu redor. Se não for assim de que outra maneira se pode viver o sexo?




5 comentários:

Von disse...

Agora fiquei excitado...com o cacete a latejar

Anônimo disse...

Mas que conto até me imaginei no vosso meio,quando vai sair um livro. bjo Rafa

Miss B disse...

Von, isso vindo de ti deixa-me com mais vontade de escrever já a próxima aventura para te superar.

Rafa, o livro sai breve, prometo

«_FP_» disse...

bem...para a primeira vez...ui ui...muito bom...adorei... podes continuar :D:D


beijos quentes

Provoca-me disse...

Tão bom poder ler esta escrita erótica, sensual, e com descrição feminina. Tão bom. Obrigado. Excitante e sensual. Com um misto de aventura e surpresa. Gostei. Aliás adorei. Só seio e mamilo é que não conjugam muito, ou nada. Mas tu é que escreves, tu é que sabes como deve ser. Mas muitos parabéns.

Quem não me perde de vista

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Política de Privacidade

Conteúdo administrado e recebido por Miss B e Sexo e Cenas. 1. Nenhuma informação pessoal dos meus visitantes é comercializada e/ou trocada com terceiros. Os dados fornecidos por eles em qualquer forma de contado, não são repassadas para nenhum outro. 2. Também não são utilizados os dados, como e-mail, para distribuir mensagens não solicitadas e/ou em massa. Os e-mails dos usuários não são armazenados em listas e só entro em contato para responder dúvidas e/ou agradecer visita/contato/solicitação/ajuda/informação e apenas uma única vez. Parte de um e-mail de contato pode ser usado como referência para compor artigos e tutorias e cito a pessoa que enviou. Mas antes entro em contato avisando da possibilidade daquele e-mail ser usado como fonte e solicito previamente autorização para usar o nome e link de quem escreveu. 3. Apenas os comentários nos artigos ficam visíveis para todos os demais visitantes do blog Sexo e Cenas. Os comentários são previamente moderados por mim como administradora do blog Existe uma Política para Comentários e recomendo que leiam: Os comentários são Moderados. Todos os comentários recebidos são previamente lidos. Só são publicados os comentários que eu, administradora, considerar adequados para o artigo em questão. Apesar das regras descritas acima, nada garante que o comentário seja publicado, pois reserva-se o direito de não aplicar as regras aqui contidas sem aviso prévio e estas são apenas uma baliza de orientação para quem desejar expor sua opinião. Tenho em vista, claro, os comentários que podem ser relevantes e que valorizam o meu trabalho. Não tendo interesse em publicar nada que ofenda o blog, nem que seja uma crítica impertinente ou desnecessária. Nos comentários só são aprovados textos que valorizam o que faço e que podem ajudar outras pessoas. 4. Os links e banners de parceiros são selecionados segundo a Política de Conteúdo do Blogger. Disponho os elementos dos meus parceiros por solicitação deles e, daqueles que não solicitaram, envio pedido prévio com aviso indicando que serão linkados neste blog. Ao receber a aprovação destes coloco a informação num local visível do blog. Aos que não solicitaram parceria, mas têm seus links/banners publicados aqui, faço-o como forma de indicação do serviço prestado por eles e por assim permitirem ou indicarem essa possibilidade em seus sites/blogs. Obs.: Não me responsabilizo pelo conteúdo dos meus parceiros e espero que estes estejam em total acordo com as regras de utilização do Blogger e dos seus outros parceiros. Conteúdo de terceiros. Tenho parceria com empresas de publicidade virtual – como o Google AdSense – que se utilizam do sistema de publicidade contextual, mas podem usar de outros recursos para determinar que tipo de publicidade veicular neste blog. Não controlo aquilo que eles disponibilizam. Este blog, pode ou contém imagens, vídeos ou outros, com conteúdos de nudez parcial ou total, não aconselhavél a menores de 18 anos. O acesso ao blog, por parte de menores é estritamente proibido, o seu acesso é da responsabilidade dos intervenientes ou seus encarregados de educação. Parte do conteúdo é retirado da internet e outro recebido por mail sendo esta última via difícil de controlar de onde vem o conteúdo, Autor, Site, Blogue, ou outras fontes. Sou contra a pratica do plágio, se detectar algum conteúdo da sua autoria em parte ou na totalidade postado neste blogue e que comprove que é seu legitimamente o mesmo será removido na hora. Para isso basta contactar-me. Mais, todo o conteúdo deste blogue é meramente ilustrativo, sem qualquer carácter comercial. Sexo e Cenas, ainda condena todo o tipo de conteúdo sexual, onde sejam utilizados menores de 18 anos, bem como ao incitamento de terceiros para tais práticas. Mais, Sexo e Cenas exclui-se de qualquer responsabilidade de qualquer link que directa ou indirectamente, redirecione para páginas de pedofilia ou outras em que se promova ou se visualize o abuso sexual de menores. Qualquer semelhança aqui reproduzida em forma de textos ou outras com a realidade, são pura coincidência.